sábado, 13 de fevereiro de 2010

55 - Luzia - o fóssil humano mais antigo das Américas

Fóssil do crânio de Luzia

Reconstrução do que seria o rosto de Luzia

Luzia foi o nome que recebeu do biólogo Walter Alves Neves o fóssil humano mais antigo encontrado nas Américas, com cerca de 11 mil e quinhentos anos e que reacendeu questionamentos acerca da teorias da origem do homem americano. Este crânio de uma mulher, com cerca de 11 mil anos, foi encontrado no início dos anos 70 pela missão arqueológica franco-brasileira, chefiada pela arqueóloga francesa Angnette Laming-Emperaire (1917-1977). O crânio foi achado em escavações na Lapa Vermelha, uma gruta na região de Pedro Leopoldo, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, famosa pelos trabalhos do naturalista dinamarquês Peter Wilhelm Lund (1801-1880), que lá descobriu, entre 1835 e 1845, milhares de fósseis de animais extintos do período Pleistoceno - além de 31 crânios humanos em estado fóssil - no que passou a ser conhecido como o Homem da Lagoa Santa.
Ao estudar a morfologia craniana de Luzia, Neves encontrou traços que lembram os atuais aborígenes da Austrália e os negros da África. Ao lado do colega argentino Héctor Pucciarelli, do Museo de Ciencias Naturales de la Universidad de La Plata, Neves formulou a teoria de que o povoamento das América teria sido feito por duas correntes migratórias de caçadores-coletores, ambas vindas da Ásia, provavelmente pelo estreito de Bering através de uma língua de terra chamada Beríngia (que se formou com a queda do nível dos mares durante a última Idade do Gelo). Cada corrente migratória, no entanto, era composta por grupos biológicos distintos. A primeira, os chamados aborígenes americanos, teria ocorrido 14 mil anos atrás e os membros teriam aparência semelhante aos de Luzia. O segundo grupo teria sido o dos povos mongolóides, há cerca de 11 mil anos, dos quais descendem atualmente todas as tribos indígenas das Américas.

8 comentários:

  1. Agradeço .. akele... ke postou .. essa informação sobre Fósseis de Luzia ... foi muito . bom para mim .. conseguir fazer o meu trabalho ... Obrigada

    ResponderExcluir
  2. luzia a mulher mas feia da historia das américas a mas feia

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Olhem esse site, muito interessante e relacionado à Luzia, fala que descobriu-se um fóssil de um ser humano mais antigo que Luzia, 13 mil anos! :o

    http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=6476

    ResponderExcluir
  5. Bom dia,gostaria de saber se alguem poderia me passar algo sobre os principais roteiros de deslocamento dos povos que foram encontrados na America Latina.Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. América Latina: O povo em movimento
      Os movimentos sociais na Venezuela, na Bolívia e no Equador conseguiram, na disputa eleitoral, colocar nomes que legitimavam seus anseios. No México e no Brasil as contradições políticas e econômicas sugerem mais cautela


      Baixar
      Roberta Traspadini*

      (4’31” / 1.04 Mb) - Para aqueles que acreditavam que chegamos ao fim da história com a etapa do domínio do capital financeiro internacionalizado, ao fim da luta de classes e ao fim das revoluções, América Latina se apresenta como uma antítese.

      A história real, ontem e hoje, é a do movimento dos povos na luta por sua libertação. Movimento cuja forma e o conteúdo não podem ser compreendidos através de um modelo predeterminado sobre o que é, e como deve ser a luta revolucionária. São movimentos em movimento. Logo, as contradições quando aparecem, explicitam, na substância da luta de classes, as dificuldades reais vivenciadas por cada um dos povos latinos na luta cotidiana contra os opressores, exploradores.

      No inicio do ano, vivenciamos três grandes mostras da força popular no continente.

      Na Venezuela, a posse do presidente Hugo Chávez, realçou o poder popular quando milhares de venezuelanos fizeram vigorar seu voto nas ruas, e com sua voz clamaram, em alto e bom som, para toda América que Chávez estava presente, tardasse o tempo que fosse necessário para sua posse oficial. E fizeram juramento coletivo de seguir construindo um processo de mudanças estruturais da sociedade. Foi uma mostra real da conquista do poder, e da luta popular para mantê-lo em suas mãos, mesmo tendo contra si um sistema mundial integrado para matá-lo.

      No México, no dia 21 de dezembro, enquanto a mídia burguesa mundial se deliciava com a interpretação equivocada sobre o fim do mundo supostamente realçado pelos nossos ancestrais maias, os zapatistas saíram numa marcha silenciosa, com 40 mil participantes indígenas, cujo grito era evidente. Milhares de pessoas se uniram à luta zapatista. E não tinham dúvida nenhuma sobre o que reivindicavam frente à ode neoliberal dos governos mexicanos dos últimos 40 anos. A clareza do que querem, mediada pela certeza da sociedade na qual estão inseridos fez do silêncio um grito real sobre as opressões/explorações.

      A luta por outro mundo, necessário e possível, reforça, na particularidade histórica atual do povo mexicano, que não há em seu cenário político atual um nome partidário que possa abrir o horizonte de mudanças reais da tomada do Estado, através do voto, com voz, popular. Isto não quer dizer que não acreditem na disputa do Estado, ou na tomada do Estado. Todo o contrário. Quer dizer que não acreditam que haja uma verdadeira disputa política no País, ou seja, um projeto partidário de direita contra um de esquerda, que possa colocar em movimento uma reação popular. Isso faz toda a diferença.

      Excluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. É tem algumas informações legais sobre "Luzia", mas gostaria que postassem mais coisas sobre assunto. Mas mesmo assim consegui fazer meu trabalho de História. Valeuu!!!!

    ResponderExcluir